Reciclável x Reciclado

Você sabe qual a diferença entre reciclável e reciclado?

Parece óbvio a diferença entre o que é reciclável e o que é reciclado, certo? Mas as vezes nos confundimos com essas palavras e as usamos de maneira não muito correta.

Reciclável, no dicionário é um adjetivo, e trata da característica ou qualidade do material passar pelo processo de reciclagem, ou seja, de ter capacidade de ser recuperado e retornar ao processo produtivo para ser transformado em um novo produto e utilizado novamente.

Portanto, um material reciclável é aquele que possui potencial para ser reciclado e que dada as suas características, poderá retornar ao processo produtivo depois de ter passado por uma reciclagem. Por exemplo, alumínio é reciclável, pois é passível de ser utilizado novamente após o processo de recuperação, inclusive retornando até como o produto original. Por exemplo: lata de bebida que retorna como lata de bebida.

Reciclagem, no dicionário, é ação ou efeito de reciclar, recuperar, de reutilizar ou de dar novo uso a algo já utilizado: os materiais serão reaproveitados com técnicas de reciclagem.

Já reciclado, vem do verbo reciclar, e significa que aquele material foi recuperado, ou seja, já passou pelo processo de reciclagem, recuperação. Por exemplo, se um produto é classificado como sendo de material reciclado, ele já passou por um processo produtivo e agora está retornando ao consumo. Isso pode ser infinitamente para alguns materiais (como alumínio, vidro ou aço) ou finito para outros (como alguns polímeros plásticos), uma vez que podem perder características importantes em cada processo de reciclagem.

Muitas vezes depois de reciclado, o material volta a ser comercializado em um ‘nível inferior’ de utilização ou de qualidade se comparado ao que foi concebido inicialmente. Plásticos reciclados podem retornar como conduítes ou então sacolinhas que viram vasinhos. Mesmo assim, utilizar produtos que são reciclados, significa não extrair matérias primas e mais recursos do meio ambiente e se torna uma importante contribuição para redução dos impactos.

Além disso, mesmo sendo reciclável e passível de ser reciclado, pode ser que um material não retorne a cadeia produtiva, simplesmente, porque sua logística de retorno é custosa. Isso acontece com o isopor que é reciclável, porém não é reciclado.

Portanto, nem tudo que é reciclável é reciclado, e infelizmente isso é uma realidade assustadora no Brasil. Apenas 3% da produção total de resíduos sólidos urbanos no Brasil é reciclada, sendo que  poderia chegar até 30%, uma vez que essa é a porcentagem de material com características para ser reciclado.

Para reverter essa lógica um dos caminhos é ter um consumo mais consciente e optar por embalagens que são recicláveis e recicladas, como alumínio, ou então que podem ser compostadas, como é o caso de algumas embalagens de papel ou mandioca.

Ter embalagens feitas de materiais que são recicláveis é fundamental, porém o mais importante ainda é fomentar a cadeia de reciclagem e logística reversa para que esses materiais sejam efetivamente reciclados.

Ainda há um grande caminho a ser percorrido, inclusive referente a tributação dos produtos reciclados e os custos de materiais primas virgens de alguns materiais, por isso é fundamental a consciência no consumo. Recusar utilizar embalagens de uso único (inclusive isopor), optar por materiais recicláveis e reciclados, pode ser um bom início. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: